Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

24 dezembro 2010

Doces



     Mas, quando passaram as casas de São Pedro, e entraram na estrada, silenciosa e triste, Cruges mexeu-se, tossiu, olhou também para a Lua, e murmurou de entre os seus agasalhos:
     - Ó Alencar, recita para aí alguma coisa...
     O poeta condescendeu logo - apesar de um dos criados ir ali ao lado deles, dentro do break. Mas, que havia ele de recitar, sob o encanto da noite clara? Todo o verso parece frouxo, escutado diante da Lua! Enfim, ia dizer-lhe uma história bem verdadeira e bem triste... Veio sentar-se ao pé do Cruges, dentro do seu grande capotão, esvaziou os restos do cachimbo e, depois de acariciar algum tempo os bigodes, começou, num tom familiar e simples:

                                                         Era o jardim de uma vivenda antiga
                                                         Sem arrebiques d'artes ou flores de luxo;
                                                         Ruas singelas d'alfazema e buxo,
                                                         Cravos, roseiras...

     - Com mil raios! - exclamou de repente o Cruges, saltando de dentro da manta, com um berro que emudeceu o poeta, fez voltar Carlos da almofada, assustou o trintanário.
     O break parara, todos o olhavam suspensos; e, no vasto silêncio da charneca, sob a paz do luar, Cruges, sucumbido, exclamou:
     - Esqueceram-me as queijadas!

Os Maias, Eça de Queiróz


BOAS FESTAS!

PJRTClub of Germany


E não se esqueçam dos doces para as sobremesas de Natal :-)

3 comentários:

antonio - o implume disse...

Já estou de garganta em estado de me fazer aos doces...

fallorca disse...

Eheheh... toda giraça ;)

Moira disse...

Obrigada pela referência ao Tertúlia.
A Lucy ficou muito gira na foto, faz lembrar o Milú do Tintin :)