Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

11 janeiro 2011

Opinião D. Dinis (II)

Aqui publico algumas passagens da opinião da Carla Ribeiro d' As Leituras do Corvo sobre D. Dinis, a quem chamaram o Lavrador:

A autora apresenta o retrato de D. Dinis no seu mais humano, com os seus conflitos, as suas dúvidas e as suas predilecções (...) os poderosos picos de emoção provocados por situações como o encontro final entre Dinis e o seu irmão e, principalmente, o belíssimo capítulo final deste livro fazem com que a leitura nunca se torne maçadora (...) uma história envolvente sobre um jovem que, para ser soberano, acaba por afastar de si parte do que significa ser simplesmente homem.

4 comentários:

antonio - o implume disse...

Estou em falta, mas prometo retomar a leitura...

Cristina Torrão disse...

Quando quiseres, implume :)

António R. disse...

Dos extractos que tenho lido por aqui deste livro,vejo que deu ao D. Dinis um toque bem real, ou seja de ser humano, que sofre como outro qualquer e não tanto de um rei distante.

Cristina Torrão disse...

Sim, é esse o meu objectivo: dar a conhecer a pessoa por trás do mito. Em Portugal, ainda há bastante preconceito em relação a isso, principalmente, em tratando-se de reis medievais, que a tradição transformou (quase) em seres perfeitos.