Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

28 março 2011

Cyrano de Bergerac

1619 - 1655

Escritor satírico que, postumamente, se tornou personagem de muitas lendas românticas. O pensamento racionalista apresentado por Cyrano foi algo raro na época, pois o Iluminismo começou um século após a sua morte. Defendia ideias consideradas ousadas, tais como a de que a matéria se compunha de átomos e que os animais eram dotados de inteligência. Questionou os intelectuais de sua época, criando polémicas relacionadas com a religião e crenças tradicionais. «A Morte de Agripina» foi considerada blasfémia pela Igreja.

Fiquei agradavelmente surpreendida. De Cyrano, conhecia, apenas, a personagem do filme com Gérard Dépardieu. Afinal, pertencia ao exclusivo grupo de humanos de pensamento avançado para a época em que viveram.


6 comentários:

Blondewithaphd disse...

Gérard Dépardieu, sempre... Ele há lá melhor Cyrano?

Cristina Torrão disse...

Vi o filme já há bastantes anos e confesso que já não me lembro de muitos pormenores. Lembro-me, sim, de que gostei. Talvez o reveja na próxima oportunidade :)

Daniel Santos disse...

tipo o Manuel Gouveia?

antonio - o implume disse...

Certos comentadores deste espaço estão um pouco deslocados...

Leste a morte de Agripina?

Cristina Torrão disse...

Não li, implume, não conheço nada de Cyrano de Bergerac (aliás, muito pouco de literatura francesa), por isso me surpreendeu este texto, que me fez ficar mais atenta a ele.

António Lopes disse...

Dizem as más línguas que o talento intelectual do Cyrano rivalizava com o seu talento para a esgrima, o qual, dizem também, era imenso
;-)