Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

30 junho 2011

Nem sempre a lápis



É o novo livro do escritor e tradutor Jorge Fallorca, com ilustrações de Luís Manuel Gaspar, publicado pela TEA FOR ONE e a ser lançado Sábado dia 2, no Bar Bartleby, em Lisboa, pelas 22 h. A apresentação será feita por Golgona Anghel. O autor teve a amabilidade de me convidar, o que muito agradeço. Mas, infelizmente, Lisboa, para mim, não está ao virar da esquina.

Costumo passar pel' O Cheiro dos Livros, onde, entre outras coisas, tomo contacto com grandes escritores como Enrique Vila-Matas, Robert Walser, Cormac McCarthy e Gonçalo M. Tavares (e isto só para referir os que me têm agradado mais).

N' O Cheiro dos Livros, há momentos intitulados precisamente Nem sempre a lápis, onde Fallorca partilha pensamentos/vivências, como aqui:

Deito-me e suspiro, menos um. Ocupa-me a subtracção, não a cotação final de mais um dia. Não se pode ser franco com os médicos. «Então, de que se queixa?». Fui honesto e respondi: De estar vivo; ele sorriu, complacente. Só quis confirmar que também não é na saúde que está a cura; saí e paguei.

Tenho a certeza de que quem estiver no Bar Bartleby, no Sábado à noite, passará um bom bocado.

Parabéns!

3 comentários:

antonio ganhão - o implume disse...

Parece-me uma boa sugestão.

fallorca disse...

Olha que bonita surpres da «minha agente na Alemanha» :)
Dá cá uma beijoca e segura a Lucy :)

Cristina Torrão disse...

A Lucy também gosta de dar beijocas ;)