Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

08 dezembro 2011

Uma boa ideia de passatempo


Aquele que com a Santa casou
Em soberba festa
A que dos pães fez rosas
Espinhosa transformação

Foi aquele que poemas legou
Que as dores do coração pôs em verso
O maior dos trovadores
 Que cantou o amor e o escárnio

Foi aquele a quem chamaram lavrador
Não foi por pegar na enxada
Ou se calhar até pegou sabemos lá nós
E ao pinhal de Leiria ficou para sempre ligado

Afinal tantos factos, tantas datas…que sabemos nós
Dos homens que nos governaram outrora?



Foi com este interessante poema (aqui, extractos) que a Sara Fernanda Barros Paredes ganhou o passatempo em Dos Meus Livros. Parabéns! Irá receber um exemplar do D. Dinis autografado.

Esta ideia do Manuel Cardoso agradou-me e, brevemente, iniciarei um passatempo neste estilo: os concorrentes terão de escrever um texto sobre um tema proposto.

10 comentários:

Exilado disse...

Venha! :)

Cristina Torrão disse...

Uau, um texto teu era mesmo giro ;)

Espero que o tema te agrade...

Sara disse...

Cristina,

O livro já chegou às minhas mãos. Muito obrigado pela oportunidade e pela dedicatória.

cumprimentos

Cristina Torrão disse...

Foi um prazer, Sara. Espero que goste ;)

Arame Farpado disse...

Cristina,
sei que será difícil pedir-lhe para que me diga qual acha que é o seu melhor romance. Admito que um lhe tenha custado mais ou tenha sido mais saboroso escrever do que outro.
Não resisto a perguntar-lhe:
Qual me aconselha a ler primeiro?

Obrigado.
Cumps.

Cristina Torrão disse...

Caro Arame Farpado, não sei se vou revelar mais do que devia, mas aqui vai:

O livro que gostei mais de escrever foi o de D. Afonso Henriques, porque prefiro esta época e acho o nosso primeiro rei uma personagem fascinante. Não desfazendo do rei Lavrador, cujo livro, aliás, é capaz de estar mais bem escrito, por uma simples razão: foi o último que escrevi (até agora) e sinto que a minha escrita vai evoluindo. Seguindo este raciocínio, A Cruz de Esmeraldas, que foi o primeiro, surge-me, agora, um pouco "naif".

A partir daqui, é o seu gosto pessoal que entra em cena ;)

Arame Farpado disse...

É maravilhoso poder estar a partilhar da sua opinião. Acredito que nada a mais terá sido dito.
Começarei pelo primeiro.
É uma questão de coerência, diria.
A História tem o seu curso e começa sempre do início...

Cristina Torrão disse...

Obrigada :)

Em breve, terei aqui um passatempo com esse primeiro livro. Pode tentar a sua sorte ;)

Anónimo disse...

Dra Cristina o seu primeiro livro que li foi A Moura e o Cruzado,agora Cruz de Esmeraldas não sei porque mudou de nome.Li também o D. Afonso Henriques,agora ando a ler o D.Dinis.Gosto muito de História fiz o 12Ano estudando á
noite e trabalhando de dia.
Agora tenho mais tempo de ler.
Encontrei o seu blogue e gostei.
muito obrigada pelas suas publicações.

Cristina Torrão disse...

A mudança de título foi exigência da editora, quando me vi obrigada a trocar a Asa pela Ésquilo. O texto foi revisto e melhorado, mas o enredo é o mesmo.

Agradeço a sua "fidelidade" e espero que goste também do D. Dinis :)