Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

01 agosto 2012

O Verdadeiro Artista


Uggie, o cão ator do filme o Artista (um Jack Russell Terrier, como a minha Lucy), tem, agora, as suas patas impressas no Walk of Fame de Hollywood, ao lado de nomes como Marilyn Monroe e Clark Gable.


A história de Uggie é curiosa, pois, devido ao seu temperamento, em cachorrinho, esteve quase a ir para o canil. Por sorte, foi adotado pelo treinador de cães Von Muller, que nos diz: «He was a crazy, very energetic puppy, and who knows what would have happened to him if he [had] gone to the dog pound. But he was very smart and very willing to work. One of the most important thing[s] is that he was not afraid of things. That is what makes or breaks a dog in the movies, whether they are afraid of lights, and noises and being on sets. He gets rewards, like sausages, to encourage him to perform, but that is only a part of it. He works hard.»

Estas últimas palavras de Von Muller são significativas: He works hard. De facto, um cão, em situações destas, passa por tanto stress como os humanos e é preciso muito tato para saber quando se está a esforçar demais o animal, ou como agir, quando ele não faz aquilo que esperamos dele. Um cão empenha-se de tal maneira para agradar ao dono, que, ao notar a desilusão deste, o seu nível de frustração pode ser grande e afetá-lo psicologicamente. Mas, como reconhece o próprio Von Muller (e, aliás, toda a gente que lida e/ou se dedica a animais): «Everybody thinks I am a great trainer. I don't think so. I think he is just a great dog».


Muita gente pensará que o registo no Walk of Fame é um exagero, já que o cão não está consciente do que se passa. É verdade. Mas, na “pessoa” de Uggie, assim se reconhece e agradece o trabalho de todos os animais que, em filmes, já nos fizeram rir, chorar, ou sonhar. Porque nós, humanos, costumamos ser mal agradecidos e ter a memória curta.


Thanks Uggie! I love you!




4 comentários:

Exilado no Mundo disse...

Mesmo sem grandes dotes cinematográficos, nem muita vocação para o trabalho árduo, esses artistas são encantadores! :)

Cristina Torrão disse...

São uns queridos :)

Bartolomeu disse...

Olha... ao menos foi mais humilde que os restantes actores que imprimiram as suas impressões no passeio da fama; no fim do acto solene, sentou-se no chão.
Pimbas!!!
;)))

Cristina Torrão disse...

Um típico caso de "a fama não me sobe à cabeça" ;)