Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

01 novembro 2012

A Nossa Sombra

N' A História Maravilhosa de Peter Schlemihl (Peter Schlemihls wundersame Geschichte, no original), Adelbert von Chamisso conta-nos como a personagem principal vende, por um saco de ouro, a sua sombra a um senhor simpático e generoso. Começa aí a desgraça de Peter Schlemihl, já que os outros começam a evitá-lo, por desconfiarem de uma pessoa sem sombra. E o senhor simpático e generoso é, nem mais nem menos, que o próprio diabo.

Adalbert von Chamisso

Esta história vem mesmo a calhar para simplificar aquilo que eu escrevi à volta do tema Reinventar a Vida, sem o peso das teorias psicológicas. A "sombra" significa tudo aquilo que faz parte de nós, mas que nos recusamos a aceitar e que não hesitamos em vender. Em vez de ouro, recebemos, em troca, um certo sossego, uma certa felicidade, ou um certo conforto. Mas é tudo aparente. A nossa "sombra" pertence-nos, quer queiramos, quer não. E sempre que a tentarmos vender ou livrarmo-nos dela, estamos a prescindir de um pouco de nós, ou seja, a trairmo-nos a nós próprios, a descartarmo-nos de responsabilidades.

Melhor será tomarmos consciência da nossa "sombra", aceitá-la e integrá-la na nossa vida. Só quando nos aceitamos com tudo aquilo que somos e como somos, podemos modificar alguma coisa e começar, realmente, a viver.




Sem comentários: