Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

22 maio 2014

Poesia em Loures com Manuel Veiga


 “[…]

Desdobra-se o poema.
E em seu destino volátil e alado
Devolve-se à carne dos dias
E retoma cativo
A matriz de água e o grito
Latejante no peito arfante
Do poeta…”



Sábado, 24 de Maio, às 18h00


1 comentário:

Bartolomeu disse...

O rebusco da matriz e a sua descoberta e confirmação, na água, não poderia estar mais apropriado...