Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

17 junho 2014

Excertos # 6



- Estávamos perdidos, quando a mourama nos cortou o caminho, nos campos de Ourique, perto de Beja, uma cidade a cem léguas daqui. O arraial dos infiéis era de três a quatro vezes maior do que o nosso, comandado por cinco reis mouros, alguns vindos de além-mar. Ao lado das bandeiras com as inscrições mouriscas verdes sobre fundo branco, espanejavam outras de inscrições negras sobre fundo vermelho, pertencentes a diabos envoltos em panos negros, vindos das terras do fim do mundo.

O povo benzia-se, aos rogos de «Deus nos proteja e guarde». Soeiro Pais prosseguiu:

- Só um milagre nos poderia tirar daquela armadilha. E deu-se o milagre!

- Louvado seja o Senhor! – lançou o pároco Sindila.

- D. Afonso recebeu inspiração divina, naquela noite de desespero. Há quem diga que Jesus Cristo, em pessoa, lhe surgiu, prometendo-lhe a vitória. Reuniu os seus validos e explicou como derrotaríamos os infiéis. E a força que iluminava D. Afonso era tão poderosa, que todos nós percebemos que só um rei seria digno de tais benesses. Ao raiar da manhã, sobre o outeiro sobranceiro à planície onde se ia dar a batalha, aclamámo-lo rei de Portugal, quando ele foi erguido, em cima do seu pavês!

Os regressados, que haviam assistido à aclamação em Ourique, tornaram a ajoelhar-se, recordando a solenidade do momento. A multidão seguiu-lhes o exemplo, algumas mulheres rezavam novamente, de braços dirigidos aos céus.

A voz do barão ergueu-se por sobre a ladainha:
           - E D. Afonso, protegido pela própria mão de Deus, guiou-nos à vitória! Desbaratámos as hostes de Mafoma, demos cabo dos chifrudos vindos dos confins da Terra!





3 comentários:

Bartolomeu disse...

A batalha de Ourique, que segundo reza a Historia, foi travada no ano de 1139 entre as tropas de D. Afonso Henriques e as de 5 reis mouros, é um dos mitos da fundação da nossa nacionalidade e, simultaneamente um enigma. Um enigma na medida em que, àquela data, Tanto Santarém como Lisboa (conquistadas no ano de 1147) eram dois fortes bastiões mouros. Assim, vários historiadores contestam que a batalha tivesse ocorrido no Alentejo. Eu cá não sei onde ocorreu, o que sei, e espero que se confirme, é que irei estar na próxima 5ª na Pó dos Livros a acompanhar-te no lançamento deste romance, a escutar o que o José Cipriano irá dizer e a ter o prazer de te dar um abraço.

Cristina Torrão disse...

Sim, é verdade. Até porque há um campo de Ourique perto de Leiria, o que faria mais sentido, pois, nessa altura, os portugueses não se atreviam a sul do Tejo (como defende Freitas do Amaral na sua biografia de Afonso Henriques). Por outro lado, o Prof. Mattoso, embora não ponha de parte a hipótese perto de Leria, diz que talvez fosse possível no Alentejo, se as tropas de Afonso Henriques regressassem de uma expedição de saque em terras mouras, que teria ido até perto de Sevilha. Enfim, tudo suposições...

Também vou gostar de te ver, Bartolomeu ;)

Bartolomeu disse...

E existe outro Campo de Ourique entre as Amoreiras e a Estrela...
(Não conseguias passar sem dizer uma parvoíce qualquer, Bartolomeuzinho...)