Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

22 julho 2014

Nada como ler os clássicos (6)

Foi neste instante que o morgado da Agra de Freimas sentiu no lado esquerdo do peito, entre a quarta e a quinta costela, um calor de ventosa, acompanhado de vibrações eléctricas, e vaporações cálidas, que lhe passaram à espinha dorsal, e daqui ao cérebro, e pouco depois a toda a cabeça, purpureando-lhe as maçãs de ambas as faces com o rubor mais virginal.
Disto não deu tento Adelaide nem a outra gente.
Duas enfermidades há aí, cujos sintomas não descobrem as pessoas inexpertas; uma é o amor, a outra é a ténia. Os sintomas do amor, em muitos indivíduos enfermos, confundem-se com os sintomas do idiotismo. É mister muito acume de vista e longa prática para discriminá-los. Passa o mesmo com a ténia, lombriga por excelência. O aspecto mórbido das vítimas daquele parasita, que é para os intestinos baixos o que o amor é para os intestinos altos, confunde-se com os sintomas de graves achaques, desde o hidrotórax até à espinhela caída.

In "A Queda Dum Anjo", Camilo Castelo Branco

Só não concordo com: «os sintomas do amor (...) confundem-se com os sintomas do idiotismo». Mas não deixa de ser um interessante naco de prosa.


4 comentários:

Bartolomeu disse...

Este texto fez com uma dúvida nascesse: O que apareceu primeiro; o hidroavião, ou o hidrotórax?

Cristina Torrão disse...

É o que estiver mais relacionado com a hidromassagem ;)

Juvenal disse...

Acorro em defesa de Camilo, uma vez que já não está entre nós para se poder defender pessoalmente.
Os amantes apaixonados podem manifestar comportamentos verdadeiramentes imaturos e, como tal, com uma dimensão a raiar a infantilidade.Se um deles não é correspondido, e mantém uma atitude de ilusão, o seu comportamento pode tornar-se absolutamente patético.
Atentemos,por exemplo,nas cartas de amor de Fernando Pessoa.

Juvenal Nunes

Cristina Torrão disse...

Não deixa de ter razão, Juvenal. Mas serão alguns casos, não todos. Acho a condição de apaixonado tão bonita e o amor um sentimento tão nobre, que não gosto de identificar essas pessoas como idiotas. Enfim, os sintomas poder-se-ão assemelhar... Mas não deixa de ser bonito :)
E não tenho a certeza se todas as cartas de amor são ridículas...