Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

21 outubro 2014

Dinheiro não traz felicidade!


Este chavão serve perfeitamente para contar a história de Marlene Grabherr, a primeira candidata a ganhar um milhão de marcos (antes dela, já um homem conseguira a proeza) na versão alemã do Quem Quer Ser Milionário. O concurso, transmitido pela RTL, tornou-se um clássico na TV alemã. É transmitido há quinze anos, sem interrupções, com o mesmo apresentador, Günther Jauch, que constantemente nos surpreende com originalidade e autenticidade. Fazendo jus ao nome, o valor máximo do concurso são mesmo um milhão de euros (antes do euro, eram um milhão de marcos).

Mas voltemos a Marlene Grabherr! A 20 de maio de 2001, ganhou o prémio em marcos (cerca de 500.000 euros), tornando-se querida do público, pois estava desempregada. Podia pensar-se que tinha a sua vida resolvida, mas, como já tinha eu escrito no extinto 2711, passados dez anos nada restava do chorudo prémio. Carros caros (chegou a comprar cinco de uma vez), viagens ao desbarato pela Europa e parentes e amigos constantemente a pedincharem empréstimos deram-lhe cabo da fortuna. Cortou mesmo relações com o irmão, a irmã e a sogra, precisamente por questões monetárias. Ficou apenas com a casa que comprou, mas, como escrevi a 8 de dezembro de 2011, estava com dificuldades para conseguir tratar dos dentes.

Soube agora que a senhora faleceu já no ano passado, com apenas 60 anos, solitária e sem um único cêntimo no banco.

Pois é! Até para lidar com dinheiro é preciso cabecinha!


3 comentários:

Cláudia da Silva Tomazi disse...

Nem mais, Cristina.

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Cristinamiga

Poizé. É preciso cabecinha - para tudo.

Qjs

Vespinha disse...

Caramba. Ou as pessoas não têm cabeça ou o dinheiro sobe-lhes à cabeça.