Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

06 abril 2015

A Citação da Semana (55)

«Quando não se encontra a paz dentro de nós, não adianta procurá-la noutro lado».

François de la Rochefocauld


6 comentários:

Olinda Melo disse...


Fundamental!Uma grande verdade.
Bj
Olinda

Cláudia da Silva Tomazi disse...

Paz e integridade emocional.

Bartolomeu disse...

Como diz a Cláudia; uma coisa, nunca é só uma coisa, mas sim a reunião de várias outras coisas, cada uma, também ela composta por outras. Então a paz, não é só um estado des espírito, uma conciliação conosco e com o mundo de que fazemos parte; não é o silêncio, nem a harmonia, não é a ausência de conflitos... é tudo isto e aquilo que compõe isto. Por isso, os monges tibetanos demoram uma vida de meditação de esvaziamento, de ausência do espaço, até o encherem dese todo que nada é, que designamos por paz.

Olinda Melo disse...


Sempre brilhante nas suas análises, caro Bartolomeu.
:)
Olinda

Bartolomeu disse...

Só reconhece o "bem" quem o pratica, Olinda. ;)
(espero ter-me feito entender...)
;) ;)

Cristina Torrão disse...

Antes de mais, quero agradecer as vossas contribuições, enchendo esta caixa de comentários e pedir desculpa por surgir aqui tão tarde.

Sim, é verdade que paz não é só silêncio, meditação e vazio de conflitos. Paz é um equilíbrio, integridade (como diz a Cláudia), uma conciliação connosco e com o mundo de que fazemos parte (como diz o Bartolomeu).

Beijinhos a todos :)