Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

09 julho 2015

A Minha História com Bob




É óbvio que este livro não tem um alto valor literário. Mas cumpre um dos pressupostos exigidos por quem se dedica à literatura: ensina-nos algo. Não somos os mesmos depois de o lermos. Ele não se restringe a narrar a amizade entre um homem e um gato. Aprendemos, acima de tudo, como vive um sem-abrigo, viciado em drogas, que tenta ganhar dinheiro fazendo música de rua (numa primeira fase, nem isso conseguia). E eu nunca mais vou olhar para um músico de rua da mesma maneira.

Os livros também servem para nos darem a conhecer formas de vida, com as quais, de outro modo, dificilmente, ou nunca, entraríamos em contacto. Para isso, não é preciso escrever uma obra literária. É preciso publicar algo com pés e cabeça, um texto bem estruturado, que nos transmita experiências, sentimentos e sensações. E que seja honesto!

Este é um livro sobre a solidão, sobre a indiferença pura e dura, sobre o desprezo em relação a alguém que não se enquadra nos nossos padrões de vida, um desprezo que só é possível aguentar sob o efeito de drogas.

«A vida na rua rouba-nos a dignidade, a personalidade e... no fundo, tudo. Deixamos de existir para tudo e todos. Um sem-abrigo é invisível para os seus semelhantes».

Penso que a grande vantagem deste livro é a honestidade. O autor, que não o escreveu sozinho (e não faz segredo disso) não se dá ares de intelectual, pelo contrário, é uma pessoa bastante humilde, que tudo relata com uma sinceridade desarmante. Foi isso que mais me tocou. Livros destes levam-me a tornar a fazer as pazes com o mundo, quando chego ao ponto de acreditar (e não poucas vezes) que honestidade e sinceridade não são compatíveis com o ser humano. Livros destes tornam-me a dar um pouco de esperança em relação à humanidade, ainda que, para isso, seja necessária a ajuda de… um gato!

«Bob é o meu melhor amigo, ajudou-me a encontrar uma vida nova, muito melhor do que a anterior. Para isso, ele não exige nada de complicado ou de irrealista em troca. Ele deseja apenas que eu esteja a seu lado. E eu estou».


Foto Daily Mail

 A versão original, em inglês, intitula-se A Street Cat Named Bob.





5 comentários:

Bartolomeu disse...

A Janis Joplin também teve um caso com um Bob McGee...
;)

Bartolomeu disse...

https://www.youtube.com/watch?v=WXV_QjenbDw&list=RDWXV_QjenbDw#t=4

Cristina Torrão disse...

Parce que os "Bobs" compensam, tanto p'rá menina, como p'ró menino ;)

Vespinha disse...

Olha... e não é que fiquei com vontade de ler? ;)

Cristina Torrão disse...

Força, Vespinha :)
Entretanto, ele já escreveu mais dois livros sobre a vida dele com Bob. Em setembro, vem a três cidades alemãs, penso que apresentar a versão alemã do terceiro livro. Parece que é a primeira "tourné" que faz no estrangeiro, viajar com o Bob deve ser um pouco difícil. Vai ter autocarro à disposição, não vem de avião, pois os seus leitores não concebem uma sessão de autógrafos sem o famoso gatinho ;)
Por acaso, nesse mês, vou estar em Portugal...