Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

26 julho 2016

Signatus - o Lobo do Fojo de Guende




Nesta novela, Isabel Maria Fidalgo Mateus retrata o conflito entre os humanos e os lobos, procurando soluções para a coexistência. Baseada na lenda da Fada dos Lobos, conhecida em certas regiões do Minho e da Galiza, cria a história de Deolinda, uma órfã galega no século XIX.

Deolinda conhece as duas partes do conflito. A fim de assegurar a própria sobrevivência, torna-se pastora, pelo que vê a necessidade de proteger os rebanhos dos lobos. Por outro lado, depois de ajudar um lobo apanhado no fojo de Guende a fugir e de lhe dar o nome de Signatus (por causa de um sinal numa pata, mas, na verdade, o nome é baseado na classificação científica do lobo ibérico: Canis lupus signatus), estabelece, com ele, uma amizade inabalável. Deolinda deixa a sua Galiza natal, na companhia de Signatus, descendo ao Minho. Durante uns tempos, abriga-se num mosteiro perto de Pitões das Júnias, onde já só vive um monge. Alcança, depois, Vilarinho das Furnas, onde chega a casar e a formar família, sem, porém, perder o contacto com Signatus. E o seu destino parece ser mesmo entre os lobos. Depois de uma série de infelicidades, regressa aos montes, tornando-se na Fada dos Lobos, quando os métodos dos aldeões para os eliminarem se tornam cada vez mais drásticos, chegam a usar estricnina.


Isabel Mateus faz a ligação ao século XX, referindo o destino de Vilarinho das Furnas, que acabaria por desaparecer com a construção de uma barragem. No tempo atual, há um grupo de turistas que visita esses locais. E, num último capítulo, a autora faz uma resenha da história do lobo ibérico e de quais as medidas que hoje se tomam (e que instituições estão envolvidas), a fim de proporcionar uma convivência pacífica entre os humanos e os lobos. 


Ilustrado por Cristina Borges Rocha, este é, na minha opinião, mais um livro de Isabel Mateus essencial à formação de crianças e jovens. O Signatus, o Farrusco e o Sultão fariam uma excelente companhia aos alunos das nossas escolas. Sem esquecer os adultos, pois são livros para todas as idades.

 


1 comentário:

Isabel Mateus disse...

Aqui temos mais uma vez "Andancas Medievais" a prestar um servico de divulgacao de excelencia a Literatura Potuguesa. Muito obrigada Cristina!

Um beijinho,
Isabel