Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

10 dezembro 2016

Os Filhos de Salazar





Este romance começa com a Revolução de 28 de Maio de 1926 (que pôs termo à Primeira República Portuguesa, implantando-se uma Ditadura Militar, depois autodenominada Ditadura Nacional e por fim transformada, após a aprovação da Constituição de 1933, em Estado Novo) e termina com a Revolução dos Cravos. O leitor toma contacto com Salazar, um catedrático da Universidade de Coimbra, que se torna Ministro das Finanças da Ditadura Militar e, como todos sabemos, acaba como chefe do governo do Estado Novo. Salazar e outros amigos e colaboradores, incluindo o cardeal Cerejeira, são-nos apresentados nos serões de outro catedrático, Leandro de Albuquerque, entrando assim o leitor numa certa intimidade dessas personagens.

Na casa do Professor Leandro de Albuquerque crescem duas crianças: Mariano, filho biológico do catedrático, e Mariana, filha adotiva, que ficou órfã de pai ainda antes de nascer, depois de mãe, e cuja família era vizinha dos Albuquerque. Não se pense, porém, que houve apenas altruísmo no ato de adoção. Leandro de Albuquerque desconfia ser o pai da rapariga, pois tivera um caso com a mãe dela.

Mariano e Mariana desenvolvem carácteres muito diferentes. Ele é o filho obediente que se torna padre e defensor do regime. Nesta atitude, contudo, encontramos mais ingenuidade do que ideologia fascista. Mariano acredita nas boas intenções de Salazar em proteger o povo português. Ele próprio tenciona ajudar essa gente pobre, que trabalha de sol a sol, participando nas atividades de lavoura da sua paróquia, uma pequena localidade do interior, o que aliás causa estranhamento aos seus habitantes. Com o passar dos anos, porém, Mariano apercebe-se dos verdadeiros contornos da ditadura, o que o revolta.

Achei esta personagem muito interessante, porque, na verdade, ao tempo do Estado Novo, os portugueses não se dividiam exclusivamente entre os que eram contra e a favor da ditadura. Havia uma grande parte da população conivente com o regime devido à ignorância ou à ingenuidade, facto que me parece pouco explorado na literatura nacional.

Mariana é rebelde desde o início, leva uma vida libertina, contesta a ditadura e acaba por ser expulsa da casa dos Albuquerque. Instala-se numa pequena quinta que herdou da mãe, mas a sua cooperação em atividades consideradas subversivas leva-a a Caxias.

António Breda dá-nos assim um retrato do Estado Novo. Na minha opinião, contudo, depois de uma primeira metade excelente, o romance envereda, na segunda metade, por um enredo menos empolgante, pois, na fase de destruição das ilusões dos protagonistas, confesso que esperava outro tipo de atitude por parte deles. Enfim, talvez assim esteja mais em conforme com a vida real…


Sem comentários: