Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

12 de fevereiro de 2018

Dentro da Noute






Esta é uma excelente coletânea de contos góticos, em forma de ebook com download gratuito no Projecto Adamastor. Particularmente interessante para mim foram os contos de catorze autores brasileiros que não conhecia, à exceção de Bernardo Guimarães, de quem já lera o romance A Escrava Isaura, também adquirido no Projecto Adamastor, e que surge aqui com A Dança dos Ossos, um dos melhores contos. Entre os brasileiros, destaco igualmente Júlia Lopes de Almeida que, em Os Porcos, nos faz, em poucas páginas, um retrato vivo da crueldade do provincianismo brasileiro, racismo incluído, assim como Demônios, de Aluísio Azevedo, que nos narra uma interessante variante do apocalipse, Assombramento - História do Sertão, de Alberto Rangel, que nos conta os medos e superstições dos homens sertanejos, e O Defunto, de Thomaz Lopes, um verdadeiro pesadelo, já que narra o suplício de um homem enterrado vivo (depois de ter sido dado como morto).

Entre os portugueses (treze, no total), e além do maravilhoso O Defunto, de Eça de Queirós (que pode ser descarregado individualmente no Projecto Adamastor), adorei A Dama Pé-de-Cabra, de Alexandre Herculano, que em muito compensou uma certa desilusão na leitura de Eurico, o Presbítero. A Dama Pé-de-Cabra é uma excelente narração medieval. Camilo Castelo Branco surge magistral, como sempre, com A Caveira.

Confesso que me desiludiram dois autores que nunca tinha lido e sobre os quais estava curiosa. O primeiro é Raul Brandão, com O Mistério da Árvore, conto cheio de lugares-comuns. Claro que isto não é pretexto para que não leia mais nada deste autor, interessa-me particularmente o romance Húmus. A outra desilusão foi Mário de Sá-Carneiro, com A Confissão de Lúcio, um conto interessante, mas disperso e que me pareceu datado, muito próprio da sociedade eufórica das primeiras décadas do século XX. Também deste tão afamado autor pretendo ler outras obras.

Entre os portugueses, há duas autoras: Ana de Castro Osório, com o excelente conto (ou novela) A Feiticeira (também incluído em Quatro Novelas, por mim já lido), e Florbela Espanca com A Morta, que, confesso, não me encantou particularmente.

Além de fazer as delícias dos amantes da literatura gótica, esta é uma boa oportunidade para ler, de uma assentada, vinte e sete escritores.


2 comentários:

Ricardo Lourenço disse...

Muito obrigado pela crítica, Cristina.

É interessante como as diferenças culturais entre o Portugal e o Brasil se revelam de forma bem evidente na ficção produzida pelos escritores de cada país. Os autores brasileiros pareceram-me mais arrojados, desafiando convenções e recorrendo a imagens mais fortes, sem receio de ferir susceptibilidades.

Relativamente a Júlia Lopes de Almeida, foi uma agradável descoberta. Parece-me incrível que tenha sido esquecida dada a sua qualidade literária. Conto começar a recuperar a obra da autora ainda este ano, com a publicação do romance «A Viúva Simões».

Cristina Torrão disse...

De nada, Ricardo.

Continuação de bom trabalho! As obras publicadas pelo Projecto Adamastor têm-me sido muito úteis.