Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

23 outubro 2014

História da Vida Privada (15)



Nestas cozinhas as alfaias eram pobres e reduzidas ao essencial. Não podia faltar a panela, de barro, onde se coziam os alimentos e, sempre que possível, uma trempe de ferro sobre a qual ela era colocada. Convinha também que não faltasse um saleiro, de madeira mesmo nas casas mais acomodadas, um pote para  azeite, outro para o vinho e, naturalmente, um outro ainda, maior, para armazenar a água com que se confeccionava a refeição e com que se lavavam os víveres. Em regra era o mesmo de onde saíam as águas para as abluções da família e da casa. Naturalmente podiam existir outras alfaias, sobretudo potes e panelas de tamanhos diversos, alguidares, bacias. Os milhares de fragmentos de cerâmica que a arqueologia tem exumado de escombros e lixeiras indicam, precisamente, isso. Muito menos comuns eram os utensílios em metal. Quando muito, uma sertã, onde se faziam alguns fritos.Contudo esta míngua de apetrechos supria-se, em regra, por empréstimo entre vizinhos. Até o próprio fogo era, quantas vezes, procurado na casa próxima, que mais cedo acendera a lareira. Na verdade, a obtenção de fogo não era, na época, tarefa fácil nem rápida. Obtinha-se, normalmente, por fricção de um fuzil confeccionado com um metal rico em carbono sobre uma pedra de sílex, do que se esperava resultassem faúlhas que se lançavam sobre uma matéria inflamável preparada para o efeito. Criar o fogo era, assim, acto complexo, pelo que uma pinha, um pau enresinado ou outro qualquer combustível eficaz, ateado em lume alheio, era solução bem mais simples e com frequência utilizada.

Capítulo A Alimentação, Iria Gonçalves (p. 240)


2 comentários:

Bartolomeu disse...

Em algumas casas nas aldeias do interior do nosso país, pouco mais utensílios são usados na cozinha...
Vendo bem, para que precisamos nós, humanos "evoluídos" de mais, se podemos obter o mesmo fazendo uso somente do essencial?

Cristina Torrão disse...

Tornámo-nos campeões em usar coisas de que não precisamos.