Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

26 janeiro 2011

Relativizar



Devíamos estudar todos os dias astrofísica, para nunca nos esquecermos da insignificância dos nossos problemas.

A propósito deste post publicado pela Namorada de Wittgenstein, lembrei-me de uma entrevista a um astronauta alemão, que vi na TV.

Já foi há algum tempo, não me lembro das palavras exactas dele, mas, perguntado sobre a sensação que era ver a Terra ao longe, ele contou algo do género: "ao ver o nosso planeta do Espaço, claro que nos damos conta de como somos pequeninos, irrisórios e, acima de tudo, de como os nossos problemas são mesquinhos. Porquê irritar-se com o vizinho? Com a política? Se o dinheiro chega, ou não, para comprar o carro que desejamos? Alguns dias depois de regressar à Terra, a minha filha de quatro anos veio ter comigo a chorar, porque não sabia onde estava o seu ursinho de peluche favorito. Deveria dizer-lhe que essa sua preocupação era ridícula, quando comparada com o Cosmos? Claro que não. Dei comigo a perder o meu precioso tempo à procura do ursinho de peluche".



Tudo isto me levou a escrever sobre o tão apregoado "relativizar". Acontece que não sou grande apologista desta prática. Quer isso dizer que acho que nos devemos irritar por "dá cá aquela palha"? Também não. A verdade é que só se irrita com "bagatelas" quem se sente infeliz, para quem a vida nada mais é do que um grande vazio. E não é ridicularizando essas pessoas que as ajudamos, porque isso só contribui para diminuir a sua auto-estima.

O relativizar pressupõe o desvalorizar e/ou o ignorar de algo que nos preocupa ou atormenta. O que leva ao seu recalcamento. Por mais trivial que seja a razão, é importante criar empatia e compreensão pelos problemas (dos outros e dos próprios). Mesmo que nos pareçam irrisórios. Ao relativizar algo, temos a sensação que estamos a aliviar uma pessoa (ou nós próprios) do problema, mas fazemos o contrário: mostramos incompreensão, transmitimos a mensagem: tu és ridículo/a, só te preocupas com bagatelas. Isto envergonha-nos, o que diminui a auto-estima. E a auto-estima é a base onde assenta a nossa felicidade.


O relativizar pode mesmo tornar-se numa prática perigosa, ao contribuir para o ignorar de problemas sérios, como expressou Fernanda Matias, num comentário a um post sobre essa grande e grave doença que é a depressão, publicado por Laurinda Alves no seu blogue: Quem está à volta tantas vezes relativiza : é do inverno, é do trabalho... Importante mesmo é estar atento e não subvalorizar os sinais ou consequências.


Por isso, pense duas vezes, antes de começar a relativizar. Seja consigo mesmo, ou com os outros, principalmente, com crianças.

9 comentários:

antonio - o implume disse...

Olha, o meu ordenado acabou de ser relativizado...

Cristina Torrão disse...

Lol :D

Estás a ver, como isso te põe infeliz? ;)

O Guardião disse...

Eu relativizo pouco, porque ando muito preocupado com o que se paga à minha volta e comigo, e olhe que também é stressante Q.B.
Cumps

Valquíria Oliveira Calado disse...

Olá,
Vim deixar-te uma palavra pra meditar, se gostar pode visitar o http://hanukkalado.blogspot.com/
lá terá saciada tua sede de entendimento das palavras de Jesus.
Assim, inteligência espiritual seria a habilidade ou a capacidade de crer em uma mente criadora e universal e se interagir com ela. O conhecimento desta resulta no aumento da fé. Ou seja, quanto mais conhecemos os princípios divinos, mais experimentamos e interagimos com o Criador. Jesus nos ensinou e abriu esta “porta” do entendimento, nos despertando para grandes mudanças interiores que produzem sabedoria, paz, equilíbrio e um ambiente propício para o aperfeiçoamento e descoberta de novos valores e propósitos de vida.
Abraço de paz.

Rafeiro Perfumado disse...

Não se trata de saber quais as questões que devem ser relativizadas, mas aquilo que significam para nós. O ursinho de peluche da filha do astronauta significava muito para ela, já se fosse a gravata do pai, na volta ela relativizava...

António Lopes disse...

Adorei o texto e já o roubei para o meu blogue ;-)

Cristina Torrão disse...

Boa ideia, António :-)

Maria de Lourdes disse...

Esqueci-me de dizer que na manhã de ontem depois de lêr um pouco da sua biografia, copiei este texto para o lêr no IPO.
Li-o a correr e agora depois de ler os comentários que não tinha lido apenas sei dizer que adorei o texto e tal como um senhor disse atrás eu ontem disse interiormente:
Até vou mais bem disposta...
Depois, com tanta coisa que aconteceu, hoje e agora penso:
Na verdade guardei o texto mesmo para dentro de mim, porque é algo que me faz interrogar muitas vezes, e diante das coisas pequenas e grandes, nem sempre sei como Relativizar...
Por vezes é mais difícil, e olhando os outros adultos, tento entender mais o siggnificado das atitudes e coisas pequeninas ou grandes.
Com as crianças é bem mais fácil e sem dar por isso vou com elas, sem me custar nada. Porque será?
Prometo que não me fico por aqui e vou refletir e interiorizar situando-me no real. Certo?
Boa noite ou bom dia, mais uma vez
ML

Cristina Torrão disse...

Cara M. de Lourdes,

deixo-lhe aqui também o meu email:

kassiak@t-online.de

Que bom que o meu texto conseguiu pô-la mais bem disposta!