Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

27 novembro 2011

Fado

A propósito da classificação do Fado como Património Imaterial da Humanidade, lembrei-me de um texto que escrevi para o Delito de Opinião, respondendo ao amável convite do Pedro Correia, e que tornei a publicar aqui no Andanças. O seu título era Herança Islâmica e eu citava o lindíssimo livro de Adalberto Alves, Em busca da Lisboa Árabe (Edições CTT, 2007).





Adalberto Alves fala-nos no drama vivido pelos últimos mouros em terras portuguesas, depois de D. Manuel I decretar, em 1496, a expulsão do reino de todos os que não se convertessem à fé católica. Muitos conseguiram simular uma integração, mas ficaram sujeitos às mais variadas atribulações, no que constituiu um dos maiores dramas da História da Península do século XVI. Como nos diz o autor na obra referida: “transformados em marginais, rufiões e desclassificados, ébrios de fatalidade, frequentavam ainda Alfama e Mouraria vagueando como fantasmas gastos, sob a pálida memória dos seus antepassados”; “inventam um género musical e com ele cantam o seu fado”; “ao percorrermos certas alfurjas esquecidas de Lisboa antiga, parece sentirmos ainda como que os ecos longínquos desses fados esquecidos, onde o árabe se enroupava em português para exprimir o lamento dos humilhados do destino.”

No livro, é ainda reproduzida, na página 147, uma fotografia do autor na companhia de Amália Rodrigues, que, como Adalberto Alves nos diz, “estava intimamente convicta da parentela entre o fado e a música árabe, que muito apreciava”.

Eu sei que esta teoria é polémica, mas eu acredito nela. E seria bom que os portugueses, a propósito desta classificação, se lembrassem dos mouros; se lembrassem de que a herança islâmica é muito forte no nosso país; referissem que essa herança terá tido mais importância para a formação do nosso carácter do que o que se costuma aceitar; referissem que, se não fossem os mouros, talvez não existisse o Fado.

12 comentários:

Rita disse...

O Fado é sinónimo de sentimento para mim, sobretudo saudade. E, apesar de apreciar muito Amália Rodrigues, prefiro o fado de Coimbra, mais pelo pormenor do toque da sua guitarra. Quando dizem que o fado é a história de um povo, não posso concordar, pois não sabemos as suas "verdadeiras" origens. Se bem que sempre associei o Fado que conhecemos hoje com origens na vida boémia de Lisboa ou Coimbra.

Gostei do seu post!

Bartolomeu disse...

E já agora, que tivessem predurado na nossa herança islâmica, outros aspectos culturais.
Mas não... pelos vistos, aquilo que os árabes nos deixaram em maior quantidade... foram camêlos.
:(
;))

João Raposo disse...

E camelos deficientes, só com duas patas.
Além das sonoridades aparentadas com a música Árabe, quando ouço flamengo tenho a mesma sensação. Ou talvez seja apenas porque é música.

Cristina Torrão disse...

Ainda bem que refere esse aspecto, João. Ontem, num post sobre o fado num blog brasileiro (o que, por si só, já é de louvar) li que a tese moura não será correcta, pois no Algarve, onde os mouros prevaleceram durante mais tempo, ou na Andaluzia, onde ficaram até ao século XV, não há fado. Além disso, só há registos de fado a partir do séc. XIX.

Eu respeito essa versão, mas acho que está longe de contradizer a tese moura. Em Lisboa, os cantares em sons longos e arrastados deram origem ao fado; no Alentejo deram origem aos cantares alentejanos; na Andaluzia, a outro tipo ainda. Em cada região, havia circunstâncias e vivências diferentes, conforme a mistura étnica que lá vigorava e o tipo de vida. Em Lisboa, haveria um certo tipo de circunstâncias que, mais tarde, terá dado origem ao fado.

O post em questão pode ler-se aqui:

http://mrdebrassi.blogspot.com/2011/11/fado-patrimonio-mundial-da-humanidade-e.html

Zé Povinho disse...

Seja qual for a origem do fado a verdade é que o nosso povo foi "beber" influências a muitos povos e isso é uma riqueza que não podemos desprezar nem ignorar.
Abraço do Zé

antonio ganhão disse...

Fado como música árabe? Fogueira com ele! ;)

Olinda Melo disse...

Olá,Cristina

Os árabes como parte integrante da nossa cultura é, sem dúvida,um dado irrefutável. Pena é que não se fale mais disso e se deixe cair num quase esquecimento tudo o que lhes devemos.
Gostei muito deste seu post e do comentário sobre o Fado no blog da Mara. Falarmos sobre as coisas é uma forma de se fazer luz.

Bj

Olinda

Cristina Torrão disse...

É isso mesmo, Olinda. Eu respeito a opinião da Mara e de todos aqueles que rejeitam a tese da influência moura porque, de facto, nada está provado.
Mas eu insisto. Talvez seja uma questão de fé... ;)

Anónimo disse...

Dizem que o fado nasceu no mar,os Marinheiros iam para o mar, sentindo muitas saudades.Então começaram a cantar o fado.
Acredito mais nesta teoria.

Cristina Torrão disse...

Acredite no que quiser, não se sabe a sua origem, nenhuma tese está provada. E talvez seja melhor assim.

Anónimo disse...

Fui ver a origem do fado de coimbra e apareceu me o de Lisboa.
Então o fado nas ruas de Lisboa só ficou a ser conhecido depois de 1840.Nessa época só o fado do marinheiro era conhecido,cantado pelos marinheiros na proa do navio.
Os fadistas em 1840 eram conhecidos pela sua maneira de trajar.
Outra explicação popular,para a origem do fado de Lisboa,foi o"Cantico dos Mouros"no bairro da Mouraria,após a Reconquista Cristã.
Claro que a verdadeira origem não se sabe.

Cristina Torrão disse...

Sim, só a partir do séc. XIX se pode falar de fado, como disse a Mara, no post acima indicado (num comentário meu) e que é este:

http://mrdebrassi.blogspot.com/2011/11/fado-patrimonio-mundial-da-humanidade-e.html

Mas, quanto a mim, a influência moura não é necessariamente desmentida nesta evidência. Adalberto Alves diz-nos, no seu livro (citado no meu post), que Amália Rodrigues estaria "convicta da parentela entre o fado e a música árabe". Penso que poderá ser esta a palavra certa: uma "parentela", traduzida numa maneira de cantar e de exprimir sentimentos que perdurou durante séculos e que terá dado origem ao fado.