Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

25 junho 2012

Incentivar as crianças a ler

Eduardo Sá diz-nos que não se educa com bons conselhos, mas com bons exemplos. Lembrei-me dessa premissa, ao deparar com este post da Paula: depois da minha filha mais nova (8 anos) saber que eu estava a participar no Clube de Leitura Bertrand, achou que também ela deveria ter um Clube do Livro. É bonito ver como ela e as outras crianças se entusiasmaram, mas, mais bonito, é ver o empenho e o interesse da Paula pela iniciativa da filha.

E volto às palavras de Eduardo Sá: não adianta dizer aos filhos que devem ler, quando os pais não têm hábitos de leitura; assim como não adianta dizer-lhes que não comam tantos doces e batatas fritas, quando os pais se afogam em fast-food; ou como não adianta dizer-lhes que é feio mentir, quando eles assistem, quase diariamente, como os pais mentem às pessoas com quem falam.

Os bons exemplos e, acima de tudo, o interesse que os pais mostram pelas coisas dos filhos, fazem crianças felizes. E crianças felizes têm mais probabilidades de se tornarem em adultos felizes.

Já agora, e regressando à temática de incentivar a leitura nas crianças, lembro o post que publiquei, há tempos, sobre "publicar" o livro do seu filho. Também lá está tudo: o bom exemplo e o empenho dos pais.


4 comentários:

Ângelo Marques disse...

É agora que a Paula vai rebentar depois de inchar de tanto orgulho, é bonito, muito bonito.
Gostei do post Cristina.

Iceman disse...

A iniciativa da Paula e a vontade da menina, são, sem dúvida, de exaltar e de louvar.
Importante a Paula ter feito referência a esse facto e à importância de os hábitos serem desde o berço.
Agora, seria curioso, principalmente quem tem filhos com essa idade, contactar alguns grupos livreiros no sentido de se criarem alguns clubes para os mais novos.

Cristina Torrão disse...

É mais uma ideia, Iceman.

Mas o meu objetivo foi louvar esta atitude, num tempo em que os pais confundem dar felicidade aos filhos com comprar-lhes tudo aquilo que eles querem. Os bens materiais são importantes, mas nada substitui o interesse pelos assuntos das crianças. Dá trabalho e custa tempo, claro...

A Paula tem todo o direito de ficar inchada, Ângelo ;)

Rafeiro Perfumado disse...

Fico todo orgulhoso do meu sobrinho adorar ler, chegando ao ponto de achar que um livro é melhor do que outro por ser mais grosso, e assim ter mais para ler. Mas infelizmente são exemplos raros. Beijoca!