Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

18 junho 2013

Cristo e as Mulheres Desaparecidas (8)


Santa Maria Madalena – 2ª Parte

Hoje, está provado que a Legenda Áurea carece de fundamento, tratando-se de uma compilação do folclore tradicional sobre os santos venerados na época em que foi criada (século XIII). Não é, por isso, provável que Maria de Magdala tivesse vivido numa gruta francesa, durante trinta anos, a redimir-se dos seus pecados.

A teóloga Andrea Taschel-Erber diz-nos que o facto de ter sido uma mulher a anunciadora da ressurreição era algo de provocante, mesmo subversivo, na época medieval. Os teólogos tentaram, então, arranjar a melhor maneira de controlar tal "despropósito" e uma das suas estratégias consistiu em ligar a revelação do milagre da Páscoa à redenção do pecado da mulher, personificado em Eva, aquela que trouxe o pecado e a morte ao mundo. Seria, assim, uma espécie de justificação para o facto de ter sido dado um papel tão importante a uma mulher. E Maria de Magdala ficou irremediavelmente ligada à figura da mulher pecadora.

Em 1896, foi descoberto um escrito copta, no Egito, datado do século II e que, atualmente, se encontra em exibição no Museu Egípcio de Berlim. Hans-Gebhard Bethge, um teólogo da Universidade Humboldt (Berlim), especialista em língua copta, intitula este papiro de Evangelho de Santa Maria Madalena. Para o documentário da ZDF, tirou-o do seu escaparate e traduziu-o frente à câmara.

Das dezoito páginas iniciais, só existem oito. Descreve-se uma cena em que os apóstolos estão desanimados, depois da partida de Cristo ressuscitado, que se foi reunir ao Pai. Surge-lhes Maria Madalena, que lhes diz (traduzo do alemão):

«Não choreis! Não estejais tristes! Não duvideis! Porque a Sua misericórdia estará convosco, proteger-vos-á! Elogiemos antes a Sua grandeza, pois ele preparou-nos, tornou-nos pessoas» (é difícil traduzir, aqui, a palavra Menschen).

Não entendendo bem as suas palavras, os apóstolos suspeitaram que Maria Madalena fosse a portadora de um segredo que Jesus lhe teria revelado, o que lhes provocou o ciúme. Pedro exige que ela lhes confie o segredo e Maria fala da ascensão da alma, que tem de passar provações, antes de se poder unir à luz celestial. Trata-se de uma descrição muito mística, que toma uma direção agnóstica, rejeitada pela Igreja.

O escrito diz-nos ainda que André não acreditou que Cristo teria dito tais palavras a Maria de Magdala. Pedro também se mostra agastado: Jesus confiou tal segredo a uma mulher? Ele preferia-a a eles? Deveriam converter-se à palavra dela? O ambiente torna-se hostil para Maria Madalena, mas um outro discípulo, Levi, contemporiza e acabam todos por fazerem as pazes e decidirem divulgar o Evangelho.

Ou seja: neste escrito copta, que alguns teólogos classificam como Evangelho de Maria Madalena, é ela quem anuncia aos apóstolos como hão de proceder, depois da ascensão de Cristo.

No final, o documentário da ZDF deixa-nos, como conclusão:

Não há qualquer indicação, nas Escrituras Sagradas, que Jesus tenha dito que apenas homens deveriam liderar a Igreja. Hoje em dia, muitos teólogos, nomeadamente, da Universidade de Harvard, consideram isso provado, tanto historica, como teologicamente.


Sem comentários: