Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

10 julho 2016

O Segundo Manifesto

Excerto do meu romance, respeitante ao segundo manifesto que Dom Dinis apresentou contra o seu filho e herdeiro, futuro Dom Afonso IV:

           Perante tal ousadia, Dinis preparou um segundo manifesto, que mandou ler a 15 de Maio, nos Paços de Lisboa. Começava por referir certos aspetos do primeiro, acrescentando a prova dada por João XXII de que nunca tentara legitimar o filho Afonso Sanches. Referia, em seguida, o encontro entre o infante e Maria de Molina, a propósito da questão da justiça do reino, e relembrava os diversos casos de assassinatos perpetrados pelos apoiantes do infante, quer no Entre Douro e Minho, quer no Alentejo, dando relevo ao assassinato do bispo de Évora. Realçava que todos estes criminosos se recolhiam à proteção do príncipe, impedindo a atuação da justiça régia.
            À cabeça da lista das vinte testemunhas deste manifesto, surgiam os dois bastardos reais Afonso Sanches e João Afonso, seguindo-se o genro João Afonso de la Cerda e o Mestre de Avis. Também o alcaide de Lisboa Fernão Rodrigues Bugalho e o meirinho-mor Lourenço Anes Redondo lá constavam. Numa carta que escreveu a Jaime II, a 8 de Junho, queixando-se das atitudes do filho, Dinis mandou cópias deste manifesto.

Cover neu3 Dom Dinis 100.jpg

O meu romance sobre Dom Dinis está à venda sob a forma de ebook na LeYa Online, na Wook e na Kobo.
Para adquirir a versão em papel, contacte-me através do email andancas@t-online.de.

Sem comentários: