Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

29 março 2011

Opinião D. Dinis (III)

É com muita satisfação e, sim, também orgulho que chamo a atenção para a opinião da Paula, uma das participantes no blogue Destante e que tem igualmente o seu próprio, ...viajar pela leitura.... Talvez não haja nada melhor para um/a escritor/a do que constatar que o/a leitor/a entendeu exactamente aquilo que se pretendia transmitir. Pelo menos, é assim que eu vejo as coisas. Quando escrevo, não o faço só para mim, gosto de partilhar a minha visão daquilo que observo, vivo, leio e pesquiso.

Aqui, algumas passagens da opinião da Paula, publicada nos dois blogues mencionados:

A interpretação do amor entre Dinis e Isabel é conseguida de forma brilhante por Cristina Torrão (...) Dinis, um homem apaixonado mas que nunca conseguiu adequar o seu carácter à santidade da esposa (...) era um homem que gostava dos prazeres mundanos. Mas isso não o impediu de nutrir, até à hora da morte uma enorme paixão pela sua rainha, que ele admirava acima de tudo.

A rainha D. Isabel é apresentada neste livro de forma encantadora: é enternecedor o amor que ela sentia pelo povo, desde o momento em que chegou a Portugal, com apenas 12 anos.

Na parte final do seu reinado, D. Dinis confronta-se com o limite precário entre a autoridade e a arrogância. Exagerando no seu papel de justiceiro, o Rei vê-se confrontado com a oposição do próprio herdeiro do trono, dando ao livro um final verdadeiramente emocionante.

Um romance histórico de excelente qualidade literária, a merecer maior divulgação.

6 comentários:

Daniel Santos disse...

Apoiado. Estou a meio do livro e está muito bom.

Cristina Torrão disse...

Obrigada. É bom ouvir a opinião de um homem, até agora, tem havido uma maioria de leitoras e todos sabemos que as mulheres "lêem diferente" dos homens :)

Rafeiro Perfumado disse...

Sua babada... ;)

Cristina Torrão disse...

:-)

António R. disse...

"As mulheres lêem diferentes dos homens", sentem diferente dos homens...ainda bem que é assim.
Dos trechos que li por aqui fiquei fã do D. Dinis que nos deixou um dos bens mais preciosos que temos na nossa natureza. O pinhal de Leiria.

Cristina Torrão disse...

Sim, ele preocupou-se com a destruição das florestas, que constituía um problema, na altura, devido à expansão das terras agrícolas e ao uso desmesurado da madeira. Os desastres ecológicos não surgiram apenas no nosso tempo.