Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

11 agosto 2016

Amores de Dom Dinis


Fonte da imagem

Dom Dinis ficou para a História como um rei mulherengo e, de facto, teve bastantes filhos fora do casamento.
A este propósito, um excerto do meu romance em que o Rei Lavrador se encanta com uma protegida de Dona Isabel, o que lhe trará dissabores:

Dinis apercebeu-se que Isabel vinha ao seu encontro. E, ao lado da rainha, uma aparição encantadora paralisou o monarca! Cabelos louros e ondulados, coroados por um diadema de prata, enquadravam uma face alva, onde luziam olhos da cor do mar num dia estival. Um vestido rosa pálido envolvia um corpo bem proporcionado, de peito cheio e cintura fina.
O rosto delicado corou intensamente, quando Isabel lhe anunciou:
- É esta a donzela de quem vos falei!
- De quem… me falastes… - gaguejou Dinis atarantado.
- Mas será possível que constantemente olvideis Dona Branca Lourenço de Valadares?
- Dona…?
Dinis nem queria acreditar! Era aquela a filha do falecido Lourenço Soares de Valadares, que com ele colaborara na corte? A filha de quem o fidalgo chegara a relatar brincadeiras nos verdejantes vales minhotos? A donzela a quem ele haveria de arranjar um esposo…
- Não vos sentis bem? Pareceis um pouco pálido.
As palavras de Isabel trouxeram-no de volta à realidade, dando-se conta de que não podia fazer daquela moça sua barregã! Branca Lourenço de Valadares era uma donzela de apenas dezasseis anos, sob a proteção da rainha! Ele ia a caminho dos trinta e nove…
- Perdoai, foi um dia fatigante. - Concentrou-se em Isabel, a fim de recuperar a sua lucidez: - Principalmente a reunião com Afonso consumiu-me, como podeis calcular.
A rainha olhou na direção do infante:
- Parece-me bem-disposto.
- Com ele, nunca se sabe…
- É verdade. Mas mudemos de assunto, que estamos a confundir Dona Branca. - Virando-se para ela: - Podeis cumprimentar el-rei Dom Dinis!
O monarca pegou na mão frágil que se lhe estendia e, ao segurá-la, sentiu o encanto da juventude, experimentou sensações esquecidas. Depois de uma vénia, a donzela pousou nele os seus olhos azuis mar, espelhando o fascínio que a figura do monarca lhe causava.


Dom Dinis Série (1).JPG


O meu romance sobre Dom Dinis está à venda sob a forma de ebook na LeYa Online, na Wook e na Kobo.

Para adquirir a versão em papel, contacte-me através do email andancas@t-online.de.

2 comentários:

Olinda Melo disse...


Olá, Cristina

Este seu romance transporta-nos àqueles tempos pela forma como constrói os diálogos, ao mesmo tempo que nos presta toda a informação. Excelente trabalho! Mas hei-de voltar a ele.

Bj

Olinda

Cristina Torrão disse...

Muito obrigada, Olinda :)

Um grande beijinho.